O Sangue dos Monstros - clique aqui

O Sangue dos Monstros - clique aqui
conheça mais sobre o livro O Sangue dos Monstros - 2018

sábado, 22 de dezembro de 2018

A Freira e o Vampiro - História de Adriano Siqueira




A Freira e o Vampiro
Por Adriano Siqueira


A igreja estava toda iluminada. em cada ponta havia velas enormes que a deixava em destaque por toda a floresta e na cidade. Tinha uma boa vantagem da igreja ser construída em um penhasco. Ela se destacava e a sua iluminação traria mais povos de outros lugares. Esses estrangeiros viriam de muitos lugares para conhecer a linda cidade.

Livia era uma freira encantadora. Sempre atenciosa com os cidadãos e principalmente as crianças que a acompanhavam em muitos lugares da cidade.

Todos os sábados as crianças acompanhavam a freira para um passeio na floresta. Embora fosse uma floresta calma e tranquila. Livia nunca levava as crianças para muito longe. O lugares que costumavam ir já havia cadeiras e mesas para fazerem uma verdadeira festa ao lado de muita comida e sucos.

Em um dos sábados a Livia estava com as crianças e percebeu a falta da Amanda, que sempre gostava de arriscar um passeio mais ousado. Mas a Livia já conhecia o seu jeito rebelde e ela já até sabia onde amanda iria. No lago.

Era tarde da noite. Todos estavam se arrumando para irem para casa quando a Livia disse que voltaria logo, assim que fosse buscar Amanda. Ela tinha apenas 10 anos e gostava mesmo de ser uma pessoa com decisões fortes. Livia imaginava que os pais teriam que compreendê-la pois será uma garota que quer conhecer o mundo muito cedo.

Quando ela chegou o lago. ouviu um grito. Livia preocupada gritou chamando seu nome.
Amanda disse que estava perto. Para livia ir correndo.

Amanda estava no chão sentada olhando para baixo.

Livia se aproximou e vu que se tratava de um pequeno morcego atingido por uma flecha. Livia disse para que Amanda não tocasse em nada;

Afastou a amanda e colocou luvas, segurou o morcego e arrancou a flecha, jogando ao mar. 
Livia pegou alguns panos e uma pomada. colocou o morcego em um lugar seguro dos abutres e deixou lá. Ela disse para a Amanda que o morcego logo estaria bem e seguro. Levou a Amanda para seus amigos e eles partiram para a sua casa.

Em um outro sábado. Livia estava com as crianças e ela queria mostrar o lado onde Amanda estava. Todos foram juntos com a Livia para o lago e lá passaram a tarde brincando. 
Um garoto disse para a Livia que ouviu um rosnado.

Livia ficou atenta. A floresta era perigosa, mas nunca teve notícias sobre lobos naquela área. Mas ela não podia arriscar. Chamou todas as crianças para se arrumarem para partir. Foi quando algo assustador aconteceu.

Um lobo feroz e sedento estava bem a sua frente. Logo em seguida apareceram mais oito lobos. Todos olhavam atentos às crianças. 
Livia se pôs a frente e tentou acalma-las.

Quando o primeiro lobo deu um passo a frente. Um homem apareceu. Ele olhou para os lobos. Seus olhos pareciam ter luz própria. Os lobos abaixaram a cabeça e correram em direção a floresta fechada. Longe da população.

Livia fica impressionada com o acontecido. O homem olha para ela e as crianças. Ela era um homem desconhecido por todos. Cabelos curtos e pretos, seu corpo media quase dois metros, era forte e seu corpo era pálido, bem diferente do povo da região que estava acostumados a sempre estarem com as peles bronzeadas. Ele tinha uma barba bem cuidada e o seu traje era da mais cara nobreza. O homem sorri e retira do bolso um pequena flecha que enfia em uma árvore. e ao passar por ela, ele desaparece.

As crianças passaram a circular a árvore a procura daquele homem, mas ele havia mesmo sumido. Algumas acharam que ela era um mágico e ficaram dizendo que ele não tirava os olhos da Livia. Ela ficou sem jeito. Ele era mesmo um homem encantador. Pegou a flecha da árvore e lembrou como se parecia com a flecha que arrancou do morcego e jogou no mar. Ficou pensando se ele havia machucado o morcego ou se... Bem as crianças eram prioridades. Ela tinha que levá-los para casa. Rezou para que os seus pais continuassem a deixar as crianças passearem com a Livia. Afinal os lobos não são vistos por lá já fazia um bom tempo.

Naquela noite Livia teve os mais estranhos sonhos. Aquele homem estava nele. Sonhou com eles passeando pela floresta de mãos dadas como um casal apaixonado. Eles se beijaram perto do lago e tiraram suas roupas e foram nadar. A água do lado era estranha. Era uma nevoa, não era água mas seus movimentos eram parecidos com os movimentos do lago. Ela sentia o seu corpo flutuando pela densa camada de névoa. Era uma sensação confortante e deliciosa. Se sentia no céu. O homem disse o nome dele. Era Ravi Balan. Ele era um homem que perdeu sua vida em busca de podere foi amaldiçoado e condenado a caminhar pelo mundo.

A freira toco em seu rosto. Ele era um homem triste mas quando olhava para ela o sorriso aparecia. Era um homem lindo. Suas mãos e a pele muito macia. Parecia ser muito frágil. Embora suas palavras era ditas com força e vontade. Vontade de desejar, de querer, de dominar.

Em seu sonho livia sentia Ravi por completo. Os seus abraços e beijos eram poderosos e cheios de desejo. Os dois estavam nus e flutuando em um mar de névoa.

De repente Ravi olha para o céu, coloca as mãos a frente dos seus olhos para se proteger do Sol e em suas costas, grandes asas de morcego aparecem.  Ele grita e desaparece.

Livia acorda assustada. Corre para abrir as janelas e descobre que já era dia. Vai até a sua escrivaninha e vê a flecha que pegou no da anterior. Abre a gaveta e a esconde.

Ela veste seu hábito e caminha pela igreja até chegar no quarto onde os padres e freiras passam os seus dias de penitência. Ela tranca a porta e pega um chicote. Tira as suas roupas, se ajoelha e começa uma longa sessão de rezas e chibatadas em suas costas. Ela estava determinada a arrancar os pecados e os desejos do seu corpo e da sua mente. Seria um longo dia.

Quando chegou no sábado ela não quis sair com as crianças. O padre, preocupado, foi a sua procura. Livia estava sentada na praça da igreja. Estava muito abatida. Seus olhos tristes. Sem nenhum sorriso no rosto como costumavam ver. Ela sempre foi um exemplo de alegria e felicidade e agora parece que seu coração estava esmagado. O padre se sentou ao seu lado. Livia segurou a mão do padre e logo em seguida se ajoelhou diante dele e beijo a sua mão. Olhou para os seus olhos e disse com todas as forças que ela pode: "Padre, eu pequei!"

O padre passou a mão no rosto da Livia. limpou suas lágrimas. Livia tinha apenas 23 anos. Era comum ter pensamentos pecaminosos. O mundo facilitava muito para que estes desejos a dominassem. Ele sabia que era difícil, mas também sabia que ela era forte e que conseguiria ser a pessoa que era antes. Ele acreditava em sua plena recuperação.

O padre a abraçou e antes que pudesse dizer algo eles escutam alguém bater na porta da igreja. A força das batidas eram ecoadas por toda a igreja. Eram batidas fortes e determinadas.

O padre e a Livia foram ver quem havia batido. E era ele. Livia tremia e seu coração acelerava ao ouvir o homem gritando que precisava ver a Freira Livia.

O padre o convidou para entrar. o homem sorri e caminha para dentro da igreja. Vai ate a Livia, mas ela recua. Ravi persiste e caminha com mais determinação e segura os braços da freira e olhando para os seus olhos ela avisa. "Você corre perigo aqui."

Livia e o padre ficaram surpresos com as palavras de Ravi. Livia era uma boa pessoa. Adorada pelo povo. Ninguém iria lhe fazer mau nenhum.

Ela se defende dizendo ao padre que aquele homem os salvou de uma matilha de lobos e que deveriamos agradecer, mas Ravi interfere e comenta. "Você sabe que nos conhecemos bem mais do que isso Livia." E ele pega a mão da Livia e a beija, novamente olhando para os seus olhos complementa: "Somos eternamente ligados."

Livia solta as mãos do Ravi e vai até o padre e implora para que aquele homem deixe a igreja e siga o seu caminho.

O padre fica intrigado. O que havia naquele homem para que Livia o tratasse de uma forma como se tivesse medo dele. Como se ele fosse um homem muito perigoso. Em respeito aos temores da Livia o padre pede para que o homem deixe o local e os deixe em paz.

Ravi fica irritado. Começa a caminhar de um lado para o outro. Coloca as mãos na cabeça e anda preocupado. Ele então toma uma decisão e anuncia: "Sairei da sua igreja, mas ficarei na redondeza vigiando este local pois sei que ela está em grande perigo e que logo eles irão caça-la e exterminá-la."

Ravi se retira do local e os deixa pensando no que ele disse.

O padre pergunta se eles já se viram depois do que aconteceu na floresta e ela diz que está sonhando com ele todas as noites. E os sonhos são cheios de pecado e desejos insanos. Ela tem rezado muito para os sonhos terem fim. Mas tudo reaparece na noite seguinte. Ela tem medo de dormir agora. Fazia dois dias que ela não dormia com medo do sonho voltar.

O padre a avisa que ele pode ser um demônio astuto e voraz e que veio para acabar com a alegria e felicidade da cidade e dos cidadãos. Mas pede para que a Livia não desista. Que ela continue o seu passeio com as crianças. Elas precisam da sua atenção ou ficaram tristes também. E a tristeza se combate com a alegria, se combate fazendo boas coisas aos outros. É esse sentimento que deve expandir e crescer.

Livia sorri e concorda. As crianças não são culpadas por sua tristeza. Elas não devem pagar por isso.
E Livia sai com as crianças naquele sábado e ela conversa sobre as dificuldades da vida e que todas as fases são apenas fases que nunca duram para sempre. Amanda diz para Livia que quando crescer quer ser uma freira como ela. Livia diz que ser uma freira é estar disponível 24 horas para Deus. E que quando tiver 18 anos ela pode ser uma freira.

Todo correu bem. Livia leva as crianças para casa e depois segue o seu caminho para a igreja. 
Ao chegar Livia observa três homens falando com o padre. Ela se aproxima para conhecê-los e o padre a apresenta aos homens.

Um deles fala com ela sobre um homem que eles estão procurando e mostra a foto de Ravi. Diz que ele é perigoso e que já matou muitas pessoas. Diz também que é um ser demoníaco e que deve ser retirado de lá para que seja punido e sacrificado.

Livia olha para o padre. Ela sabe que o padre não diria nada e diz para o homem que não o viu e que se ele aparecesse ela avisaria.

Eles falaram que estariam em um hotel naquela semana. Pois estavam procurando a criatura e que não seria seguro sair de noite pois o assassino que eles procuravam atacava mais nas horas noturnas. Depois do aviso. Os três homens saem da igreja.

 Naquela noite Livia tinha ido dormir. Ravi agora era passado. Ela estava certa que ele não apareceria novamente para atormentá-la. Mas não foi isso que aconteceu.

No sonho da Livia os três homens lutaram com Ravi. E ele venceu todos. Depois pegou cada corpo e sugou seu sangue. Ravi estava sedento e se alimentou do sangue de todos os homens. Quando Ravi sentiu  presença de Livia. Ele olhou para ela. e sorriu.

Livia acordou assustada novamente e lavou o rosto por vários minutos. Os gritos dos homens ecoavam em sua mente. A insanidade estava tomando conta dela. Se ela contasse ao padre ela teria problemas. O padre poderia afastá-la do seu cargo na igreja e teria que ficar internada para se curar de sua loucura. Foi quando ouviu um barulho na janela.

Livia olhou atentamente. A janela estava tremendo. O barulho começou a aumentar e os vidros começaram a rachar até que se quebraram e logo em seguida os pedaços de vidros e madeiras começaram a cair no chão. A janela foi destruída com rapidez. Ela continuava a olhar e Uma sombra tomou a janela por completo e nela um morcego saiu das sombras e voou pelo quarto. Deu três voltas e pousou perto da janela. Aos poucos o morcego tomou a forma de um homem. Era Ravi. Sorrindo. 
Ele olhou para Livia e disse que os homens que a visitaram nesta tarde já não existem mais. E que ele estava lá para levá-la para um lugar seguro e que ficaria com ele o resto de suas vidas. 
Livia não aceitou a sua oferta e o repudiou. "Não vou com você! Meu lugar é aqui!"

Ravi ameaça a destruir toda a igreja se ela não fosse com ele. Livia pega a sua cruz e mostra para o ele. "Em nome de Deus! Vá embora!"

Ravi por um momento se protege da cruz. No entanto ele abaixa os braços e sorri. "Você está em dúvida com a sua fé! A cruz não pode te salvar mais!"

Ele faz um gesto com as mãos e a cruz é arrancada das mãos de Livia e lançada pela Janela. 
Ravi olha para Livia e ela cai de joelhos chorando e clamando. "Deus! Me salve dessa insanidade! Me salve dessa loucura que me possui!"

A porta se abre e o padre com uma cruz e uma bíblia em suas mãos enfrenta o vampiro. "Volte para o seu mundo criatura bestial." "Eu ordeno que saia desta igreja!" Deus ordena que saia deste lugar para sempre!"

Ravi se afasta de Livia e se protege com os braços, Ele salta a janela e antes de cair se transforma em um morcego novamente. O padre abraça Livia e a leva para um quarto de hospedes e lá ela reza agradecendo a Deus por tê-la Salvo.

Na manhã seguinte o padre descobre que os três homens que o haviam procurado no dia anterior estavam mortos e sem nenhuma gota de sangue no corpo. O padre vai até o quarto onde Livia deveria estar, mas não a encontra. Preocupado, o padre entra em contato com todos os superiores e conta a sua história e pede para que Eles o ajudem e como resposta os sues superiores enviariam uma mulher.

O padre já sabia quem eles enviariam. começa a procurar a Livia pela cidade. Todos estavam preocupados. As crianças choravam e queriam que a Livia aparecesse. Alguns homens a procuraram na floresta ao redor da igreja, mas nada encontraram.

No final daquela tarde o padre recebe a visita de uma mulher. O seu nome era Késsia Montenegro e era uma pesquisadora e investigadora sobre casos estranhos que acontecem nas igrejas.  Ela era também a irmã dele. A irmã que sempre ia contra os métodos legais da igreja. Destruiu muitas criaturas usando métodos que a igreja jamais aprovaria. 
Depois de uma longa conversa e averiguações pelo local. Késsia avisa seu irmão que o monstro era um Morto-vivo, um vrykolakas ou um strigoi e que todas as janelas deveriam estar fechadas, mesmo as mais altas e que nelas tenham réstia de alho. Não convidar ninguém estranho para entrar e que todos devem andar com cruzes e água benta. 
O padre anota todas as solicitações e pergunta se ela conseguirá localizar a Livia. 
Como reposta Késsia explica: "Você sempre foi o irmão certinho. Tudo tinha que ser construído de forma correta. Eu não sou assim Norman. Não aprecio chamá-lo de padre. Agora tem que seguir as minhas regras para ter a Lívia de volta. Esse monstro é perigoso. Se trata de um ser desprovido de paixão. Sua alma é sombria e a sua sede de sangue é eterna. Não acredito que ela ainda esteja viva. Não existe esperança quando alguém encontra tal criatura. Seus desejos por sangue estão acima de qualquer lei. acima de qualquer um. Acima de você Norman. A criatura não vai querer saber de seguir os seus métodos corretos que você criou para essa igreja. Ele vai destruir e se alimentar de todos se não seguir minhas ordens."
Com isso o padre abaixa a cabeça e implora para encontrá-la e explica: "As crianças viram a Livia pegar uma flecha. Livia deve ter deixado no quarto dela."
Késsia vai com o padre para o quarto de Livia e eles acham a fecha guardada em uma das gavetas. Késsia coloca as suas luvas e coloca a flecha em uma sacola. Depois ela segura as mãos do padre e diz que fará o possível para achá-la, mas precisava de um lugar para analisar a flecha e assim poder encontrar pistas para localizá-los. O padre concorda e leva a Késsia para um lugar silencioso e isolado.

Livia abre os olhos e vê que estava deitada em um chão umido. Olha para cima e vê que estava em uma caverna fria e muito estreita. Apenas um pequeno raio de luz aparecia, mas era muito alto para tentar escalar e fugir. Ela ecuta um barulho e olha para ver o que era. Lobos. Eram lobos raivosos. Os olhos vermelhos mostrava que eles estavam vindo bem devagar em sua direção. Livia recuou até encostar na parede. Ela não tinha como escapar. Seria devorada. O primeiro lobo saltou para atacá-la e ela acordou.

Era um sonho. Livia acorda em uma cama macia. Rezava para que isso também não fosse um sonho. O quarto onde estava era pequeno. Cabia apenas poucos móveis. Um guarda-roupa, a cama e uma penteadeira.

Embora pequeno. o quarto era  aconchegante. a cor das paredes bem pintadas tinham a tonalidade de azul bem claro. Um candelabro acesso no teto. deixava o quarto bem iluminado. Ela não sabia onde estava. Alguém bate na porta e pergunta se pode entrar. Ela fica calada pois reconhece que a voz é de Ravi.

Mesmo assim a porta se abre. Ravi enra segurando uma bandeja com algumas frutas e sucos.  Sorrindo ele coloca a bandeja na cama e senta ao lado de Livia e tenta e justificar.

"Sinto por ter te raptado. A igreja era um alvo fácil para os inimigos." "Tenho muitos" "Eles sabem que você é importante para mim."Farão de tudo para usá-la como isca."

Livia não diz nada. apenas pega a bandeja e começa a comer. Enquanto isso Ravi continua a falar. 
"Já fui alguém importante. Um guerreiro sanguinário. Mas com o passar dos anos eu queria mais poder e foi então que um mago de outras terras me ofereceu uma garrafa de sangue e avisou que nela tinha o sangue real. O sangue do primeiro homem da terra. E disse que se eu bebesse daquele sangue eu teria todos os conhecimentos dos homens que nasceram até hoje. Fui um tolo. Minha sede pelo poder e o medo de envelhecer me fizeram esquecer de ponderar e de pensar. Naquele instante eu só pensava em ter mais poderes e mais força para dominar meus inimigos. Eu bebi. Não um gole. Toda a garrafa. minha vida estava tão deplorável que nem passou pela cabeça que o mago poderia estar blefando e que poderia haver apenas veneno. Mas o que aconteceu naquele instante foi aterrador. Muitas e muitas imagens se formaram em minha cabeça. Imagens de guerra, pessoas gritando e morrendo. famílias me abraçando. Rostos de pessoas conhecidas e desconhecidas. Eu vi todas as catástrofes que a terra teve. Senti em minha mente cada toque de destruição e... morte!"

Livia estava comendo e ouvindo cada detalhe da conversa. Pensava que seria a próxima a morrer e que essa seria a sua última refeição, mas Ravi continuava a falar.

"Eu fugi. Corri para ver se aqueles pensamentos iriam parar de entrar em minha cabeça. Era muita informação. Eu iria ficar louco. Na corrida eu cai ribanceira abaixo. Fiquei rolando no chou por mais de 800 metros. Estava ferido. minhas pernas estavam quebradas e tinha muitos ferimentos aberto. Eu tinha certeza que iria morrer."

Livia esperava e tentava arrumar uma maneira de sair de lá. Ela precisava fugir daquele homem insano. Mesmo assim continuou a ouvir o que Ravi dizia.

"Lembro de alguns lobos me arrastando para dentro da floresta. Não me lembro quanto tempo fiquei ali na mata fechada. Talvez horas, talvez dias. Quando se está para morrer tudo parece estar devagar e você só pensa no passado."

Ravi segura a mão de Livia. 
"Eu sobrevivi. Minhas feridas e as pernas foram curadas de alguma maneira e com o passar do tempo notei que eu poderia correr mais rápido que os lobos e eu caçava para eles. Assim podíamos dividir a comida. Quando vi que estava em melhor condição eu pude sair da floresta."

"Tentei voltar para minha antiga moradia, mas não existia mais nada lá. As pessoas nem me conheciam mais. Tudo que eu tinha foi destruído e esquecido. Todos me olhavam com medo. Eu estava com as roupas destruídas e com uma barba muito grande. Eu precisava de lugar para me trocar e voltar a ter uma imagem mais civilizada. Eu fui em um bar e falei com o dono para trocar serviços por roupas e comida. Lipei o chão, lavei as louças, limpei a janela e o dono do bar me deu roupas e uma navalha para cortar a barba. Fui até o banheiro e depois que voltei, me alimentei. comi um grande prato de comida, mas logo o meu sorriso de satisfação se tornou algo desesperador. A comida não descia pela garganta. Eu estava sufocando. arrastei-me e joguei a comida fora. Eu estava com fome. mas não era da comida. Lembrei que eu tomava o sangue dos animais que ajudava a caçar para os lobos. Era só isso que me alimentava. Sangue. O homem do bar tentou me ajudar, mas eu o afastei e fui embora. Quando andei pelas ruas mais bem arrumado um mulher me perguntou se  eu queria prazer. Eu só pensava em me alimentar. Me levou para um hotel. Ela sorria muito. Eu só a via como comida. E foi o que ela se tornou naquela noite. Tomei todo o seu sangue. Cada gota. E ela não foi a última vitima. Desde então eu passo as noites procurando alimento. O Sangue."

 Livia sorri e tenta acariciar o rosto de Ravi. Ele pega a sua mão e a beija dizendo:
"Você é uma mulher maravilhosa. Será minha pela eternidade. Juntos vamos ter o nosso espaço merecido neste mundo e vamos aproveitar cada dia, cada noite."

Ravi segura os ombros de Livia. E se prepara para mordê-la quando finalmente ela lhe diz:
"Eu quero ficar com você, mas não como você está. Quero continuar sendo a humana que sou. Sei que você é frágil quando o Sol está no alto. Posso proteger o seu sono até a chegada da noite. E assim você pode me proteger nas horas escuras."

Ravi pensa por uns instantes e responde:
"Eu não preciso realmente te transformar no que sou tão imediatamente. Podemos adiar sim. Ficaremos aqui por muito tempo. E aceito sua proposta."

Eles sorriem e se abraçam.
A caçadora késsia aparece e lança com a sua besta, a flecha encontrada no quarto da Lívia. Ravi foi agil, ele pegou o objeto no ar e olhou e sorriu para a caçadora. "Acha que não percebi a sua chegada caçadora? Eu sou muito poderoso e vou... Argh..."
Ravi sente muita dor na sua mão que estava segurando a flecha. Ele a joga longe, mas a sua mão havia pegado fogo. Começou a gritar. Késsia responde: "A flecha estava preparada para você. Eu passei àgua benta com alho. Certamente iria causar muita dor e eu contava com isso."
A caçadora foge do local e Ravi vai ao seu encalço. Quando ele passa pela porta uma rede feita de espinhos cai por cima dele. Os espinhos ferem todo o seu corpo e começa a soltar fumaça. Késsia sorri. "Os espinhos também estão com àgua benta e alho. Você vai morrer Ravi. Já matou muita gente."
Lívia segura os braços da Késsia e suplica: "Por favor! Não o mate! ele também é filho de Deus."
Kessia olha para a Lívia e responde de maneira sarcastica: "Não me venha com sua conversa ingênua, puritana. Saia daqui, tem um cavalo a sua espera e ele a levará para a sua igreja. Esse vampiro vale muito e eu pretendo me aposentar depois dessa caçada. Vocês que trabalham na igreja são muito piedosos e por causa disso, criaturas como ele matam sem perdão."      

Ravi sofre em desespero. Levanta a sua mão pedindo ajuda para Lívia, mas ela é empurrada pela caçadora que pula na rede e usando uma estaca ataca e enfia diretamente no coração de Ravi.
Lívia senta no chão e começa a chorar. Eles tentam se tocar mas Késsia chuta a mão de Ravi e explica: "Quantas famílias sofreram pelas mortes que causou vampiro? Quantos humanos perderam a vida por sua causa? Quantos ainda perderiam se ficasse vivo?"
Késsia olhou para a Lívia e conclui: "Você seria a próxima vitima dele. Você seria mais um brinquedo na mão deste vampiro. Agora volte para a sua igreja e conte para todos o que aconteceu. Quem sabe eles deixarão de ver essas criaturas com compaixão e comecem a fazer o que deve ser feito."

Ravi se debateu e gritou por algum tempo até que finamente, seu corpo foi queimado e destruído.

Késsia vê o que restou de Ravi e sorri. "Está feito. Finalmente o vampiro não vai mais matar ninguém." Ela se vira e vai para a saída daquela casa. Enquanto isso a Lívia olha para a poeira que restou do Ravi ela toca na poeira e por baixo dela havia um pouco do sangue do vampiro. Livia pega o sangue com as mãos e passa por seu rosto e bebe. Seu corpo começa a tremer. Ela entra em um estado de convulsão e cai no chão desmaiada.

Késsia fica a espera da Lívia do lado de fora junto com o outro cavalo que trouxe para levá-la; De repente os dois cavalos começam a pular desesperados. Késsia tenta acalmar os seus cavalos, mas é inútil. O cavalo onde ela estava montada, salta em desespero e faz com que a Késsia seja derrubada. Os cavalos fogem do local. Ela se pergunta o que aconteceu. Afinal acabara de destruir o vampiro. Késsia, ainda no chão olha para a porta da casa e vê a freira lívia. Coberta de sangue e com os olhos do próprio demônio.
Kessia fica em pânico. Os cavalos levaram as suas armas. A freira agora era uma vampira e estava faminta. Késsia era a unica fonte de alimentação para a freira. "Lívia! Não faça isso. Se você não sugar o sangue de ninguém ainda existirá uma cura. Não jogue todos os ensinamentos da igreja fora. Resista! Lute! Não deixe essa doença te exterminar!"
Mas já era tarde. Lívia segura o pescoço da Késsia e a levanta com facilidade. Ela sorri e responde.
"Quem disse que quero me curar? Essa doença vai mandar você para o inferno!"
Lívia mostra os seus caninos pontiagudos para Késsia e ela morde o seu pescoço. Suga todo o seu sangue e arranca a cabeça dela e depois joga para longe da casa.
Livia limpa a sua boca que estava coberta de sangue e se afasta sorrindo.

Depois de muito tempo quando as crianças estavam no lago brincando junto com uma nova freira chamada Helena. Elas contavam histórias sobre a sua antiga amiga a Freira Lívia. Quando a Amanda que era a criança mais atenta que todas viu a Freira Lívia escondida nas árvores. Ela foi ao seu encontro e se abraçaram. A Freira Lívia disse em voz baixa: "Eu estou bem. Só que agora faço parte de outro mundo. Mas sempre estarei aqui para protegê-la quando precisar. É só me chamar."
Lívia afasta a Amanda e se transforma em um morcego e vai em direção a mata fechada.
Amanda volta para feliz para contar para os seus amigos.

E a história é contada até hoje. 

Escrito por 
Adriano Siqueira 




quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

História inédita do Neculai

Olá pessoal,
O vampiro Neculai faz hoje  anos de vida desde a sua criação. Desde então mais de 70 histórias foram criadas com a participação deste vampiro.

Em homenagem aos 4 anos de sua existência eu publico aqui para vocês um conto inédito sobre o Vampiro Neculai.

Agradeço muito o apoio de vocês. Foram vocês leitores que deixaram a essência do Neculai sempre forte e sedenta. :-)

Abraços
Adriano Siqueira




O FUTURO DO DESESPERO
HISTÓRIA INÉDITA DO VAMPIRO NECULAI


‒ Sabe Fernando. Um balde de pipoca quentinha iria completar esta noite.

Fernando estava na residência da Eliane. Ele havia combinado um encontro com ela para assistir alguns filmes. Eles tinham uma relação amistosa. Os dois eram muito independentes e tinham o seu próprio meio de viver. Quando podiam, eles se encontram para se divertirem juntos. Ela era uma pessoa muito bondosa e era advogada, vivia protegendo os idosos para que suas casas não fossem vendidas por um preço muito baixo. Ela cuidava bem dos seus clientes e alguns amigos idosos que não tinham como pagar um bom advogado. 

‒ Gostei da ideia Eliane. Enquanto você faz, eu vou ficar aqui vendo as notícias. 
‒ Não tem aqui em casa Fê. Vou ter que ir até o mercado.  
‒ Deixa que eu vou. É rápido. Enquanto isso, você escolhe um bom filme para a gente assistir.
‒ Está bem Fê. Vou ver um pouco de notícias. Por falar em notícia...

Eliane pegou na mão do Fernando e a colocou em sua barriga. Fernando não compreendeu de imediato e sorriu, mas ela estava sem dizer nada e continuou sorrindo. De repente ele parou de sorrir e ficou assustado. Afastou-se da Eliane e, colocou a mão em sua testa e sorriu dizendo em seguida:

‒ Você e-está grávida? 

Eliane se aproximou do Fernando e o abraçou bem forte. Isso deixou o Fernando sem muita reação. Aos poucos, bem devagar. Fernando a abraçou sem dizer nada. Ela empurrou o Fernando para trás e começou a rir. 

‒ Eu só estava mostrando que minha barriga estava roncando seu bobo.  Precisava ver a sua cara. Agora vai logo buscar a pipoca.

Fernando pegou uma almofada e jogou na cara da Eliane. Ela ria sem parar enquanto ele saiu e fechou a porta.  Eliane começou a procurar os canais de notícias e quando achou um ela ficou impressionada. Aumentou o volume para ouvir atentamente. Neste mesmo momento, o seu celular tocou. Ela atendeu sem tirar os olhos da TV. 

‒ Oi Fê. Nossa! Você precisa ver o que estão noticiando. 
‒ Existem várias maneiras de convencer alguém a vender o seu imóvel. 

Eliane percebeu que não era o Fernando que falava no celular. Ela pegou o controle da TV e abaixou o volume.  

‒ Quem está falando? 
‒ Eu sou Neculai. Você atrapalhou minha negociação hoje. 

Eliane lembrou bem desse nome. Neculai era o homem que queria comprar o terreno do seu cliente que não estava interessado em vender. 
‒ Não sei como conseguiu meu número, mas nosso assunto termina aqui. 
‒ Viu as notícias? 
‒ Estava tentando ver até você ligar. 
‒ Vou resumir para você. Todos os presídios neste momento estão em rebelião. Não são apenas os presídios locais. São todos os presídios do país. Essa ainda não é a melhor parte. 
‒ O que está dizendo? Você está envolvido nisso? 
‒ Envolvido Eliane? Ha Ha Ha Querida, eu criei está rebelião. 
‒ Você é um maníaco. Vou desligar. 

Antes que a Eliane desligasse, as portas e janelas em sua casa se trancavam deixando-a assustada. 
‒ Quem está ai? 
‒ Eu sou Neculai!
‒ Você está no celular e aqui? 
‒ Estou também com os prisioneiros que estavam fugindo.
‒ Que? Eles estão voltando para os presídios?
‒ Quase todos Eliane.
‒ As noticias dizem que os que não voltaram estão morrendo violentamente. Pescoços quebrados. Muito sangue. 
‒ Estou falando também com os presidiários pelo celular. Se eles não seguirem as minhas ordens. São libertados mais cedo. Ha Ha Ha. Para sempre. Para o limbo, para o céu azul. Ha Ha Ha 
‒ Você não pode ser tão poderoso. 
‒ A rebelião agora foi controlada Eliane. Tudo está voltando ao normal.
‒ Qual o sentido disso? Matar pessoas? Você é um assassino. Criminoso.
‒ E sanguinário, e manipulador, e megalomaníaco também. Preciso adicionar essas qualidades nas redes sociais. Ha Ha Ha... Mas sim! Eu apreciei cada gota de sangue de cada um deles que não acataram meus educados pedidos para voltarem as suas selas. 
‒ Monstro!
‒ Obrigado. Continuando... Existe ainda um presídio que não foi contido. Ele fica bem,.. Que trágico. Ha Ha Ha. Esse presídio fica próximo ao terreno que eu quero. Vejam só. Ha Ha Ha.

Eliane sentiu a sua pele arrepiar e escutou uma voz que não veio do celular, mas por trás dela. 
‒ Eu consigo o que quero Eliane. 

Eliane olhou para todos os cantos da casa procurando o invasor, mas nada viu. Ela pegou o celular e perguntou assustada. 

‒ Você está aqui? Você invadiu minha casa? 
‒ Preciso daquele terreno Eliane. Para construir a minha escola. Uma escola para de verdade, que será lecionado por professores que eu estou contratando. As escolas de hoje não dizem a realidade da nação.
‒ Meu cliente já disse que não vai vender. 
‒ Como eu disse, prosseguindo com a nossa conversa, não consegui deter alguns prisioneiros que estão exatamente bem ali. Bem naquela área. Olha a TV Eliane. Acho que o seu cliente é a Manchete da noite. Ha Ha Ha.  
‒ Não! O helicóptero está mostrando com a câmera, um fugitivo armado está com ele fora da casa. Ele vai atirar no meu cliente. 
‒ Vai sim! Só eu posso detê-lo. 

Eliane olhou para a TV e viu o seu cliente de joelhos com as mãos na cabeça e o fugitivo com uma arma apontada na cabeça dele enquanto olhava para os lados e segurava um celular esperando uma ordem. Eliane não tinha escolha.

‒ O que quer Neculai? 
‒ Quero o terreno do seu cliente. Contrato assinado e tudo na mais completa legalidade.
‒ Eu consigo isso amanhã. Tem minha palavra. O terreno é seu. Agora! Salve meu cliente! 

Eliane assistiu na TV um homem sem roupa aparecendo por trás do fugitivo. Ele quebrou o pescoço e logo em seguida desapareceu. Ela ficou mais assustada. Neculai podia aparecer em qualquer lugar. Ele poderia estar ali, em sua própria casa, sem perceber. De repente ela escutou um barulho na porta. Alguém mexendo muito na fechadura e empurrando.   

‒ Vai embora! Já dei minha palavra.

Mas a resposta que Eliane recebeu a deixou mais tranquila. 

‒ Sou eu o Fernando. Abre a porta Eliane. Eu trouxe a pipoca. 

Eliane abriu a porta e abraçou o Fernando, deixando ele preocupado. 

‒ Calma Eliane. O que aconteceu? 

‒ É uma longa história Fernando. Conto no caminho.

‒ Caminho? Você quer sair? 

‒ Precisamos pedir ajuda. Eu fui atacada e subornada pelo Neculai. O vampiro que está aterrorizando todo mundo.

Fernando via a Eliane pegar a sua bolsa e as chaves, Ela corria aflita pela casa balbuciava enquanto verificava as portas e janelas. Ele precisava acalmá-la. 

‒ Calma Eliane. Pelo que sei Neculai está sendo elogiado por toda a mídia por acabar com a rebelião dos presídios que aconteceu á pouco. 

‒ Foi uma farsa. Ele mesmo provocou esta rebelião. Ele tinha interesses. Eu tive que ceder a uma ameaça desse monstro. 

‒ Mas ele é um herói. Todo mundo está a favor dele. Ontem mesmo estava na TV falando sobre as novas escolas que está construindo. Nossas crianças e professores treinados por ele mesmo. Um cara assim não pode ser um criminoso.

Eliane olha zangada para o Fernando e complementa:

‒ Ele matou muita gente hoje. Os fugitivos voltaram correndo para os presídios para que eles não fossem mortos por ele.

‒ Mais um motivo para ele ser herói Eliane. 

‒ Não acredito que você está apoiando o Neculai. Eu o vi matar um fugitivo sem piedade na frente das câmeras. Todo mundo viu isso. Foi horrível. 

‒ Eliane. Muita gente quer imitar o Neculai. Ás vezes isso acontece com as celebridades. É um bom vampiro, Ele gosta de ser chamado de vampiro pois ele diz que vai deixar puro o coração da nação. Ele veio para ajudar. Alguns realmente matam em nome dele, mas Neculai não tem culpa disso. 

Fernando riu e sentou no sofá e complementou:  

‒ Eliane. Esquece isso. Vamos comer pipoca e assistir um filme. 

‒ Me dá as chaves do carro Fernando. 

‒ Não.  As ruas estão uma bagunça a esta hora. Muitos carros de policias e repórteres vasculhando a cidade em troca de informações sobre tudo que aconteceu. Eu quero que fique segura aqui comigo. 

Eliane tomou as chaves do carro do Fernando e correu em direção ao veículo. Ele tentou avisa-la. 

‒ Volte Eliane. Por favor. 

‒ Não vou voltar. Preciso ajudar o meu cliente. 

Fernando tirou uma arma que estava escondida atrás da sua camisa e começou a atirar para o alto e aponta para ela. Ele grita: 

‒ Neculai só quer o bem de todos. Volte agora! Estou tentando salvar a sua vida. Os policiais estão procurando criminosos e eles têm ordem para atirar em qualquer carro suspeito. Volte Agora Eliane. 

Eliane ligou o carro e esperou o Fernando ficar bem na frente. Ele sorriu e ela acelerou fazendo com que o Fernando pulasse, abrindo o caminho para o carro seguir em alta velocidade.

Eliane tinha que ir até o seu cliente. Retirar ele de lá. Neculai poderia aparecer e assassinar um pobre senhor. Ela liga o rádio e procura notícias sobre a rebelião. Ela escuta uma radialista falar sobre o Neculai. Ela aumenta o volume e escuta atentamente.

‒ Neculai deixou um recado para os ouvintes: 
“Sou o Neculai. Um vampiro que luta para que possamos ter um mundo melhor. Qualquer dúvida liguem para o meu celular. Tenho muito para falar sobre meus planos e minhas ideias que ajudarão este país a ser verdadeiro. Um país que teremos orgulho de morar e de viver. Teremos as melhores escolas do mundo. Melhor que isso... Seremos o próprio mundo.”

Eliane fica impressionada com a notícia. Ele era um assassino manipulador e todo mundo trata ele como se fosse um herói da nação. Ela continua ouvindo. 

"Não importa se são 10 pessoas ou 100 nas ruas em manifesto, o que importa é que elas estão indignadas, e apontam o que está errado. Eles têm o direito de serem ouvidas. Lutam por uma nação melhor, pois não estão sentadas em casa, caladas como os Comodistas fazem. Estes sim não merecem ter nada, Esses, foram educados para ficarem calados. Sorvendo seus benefícios e se lixando para o país, Se lixando para o seu próprio vizinho que não tem como pagar o seu aluguel."

Eliane começa e entender. Esse tipo de discurso é muito político. Será que o povo daria um lugar para ele no governo? O que o Neculai realmente quer com esses métodos de enganar uma população inteira? 

Mesmo com a sua cabeça cheia de perguntas, ela continua ouvindo o programa na rádio.

“Enquanto o governo tentava explicar o inexplicável, pois dinheiro não cai do céu, os sem tetos eram retirados. Sem ter lugar para ficar, a sugestão seria começar a invadir as prefeituras, o palácio do governo, os estádios de futebol, as escolas, afinal, são do povo e é deles por direito. O que não pode é ficar na rua, no frio, na lama e na chuva. Somos cúmplices de cada um que morre na rua. Somos culpados por cada vítima ignorada. Sim! São vítimas, como as vítimas da guerra, como as vítimas de algum desastre natural. Essas pessoas que estão sem lugar para ficar são de nossa responsabilidade. Mas os comodistas gostam de ver tudo isso pela TV. Eu não os culpo. Eles foram educados por pessoas erradas, por governos errados. Eles são limitados. Nós não. Nós temos um caminho de muita vontade e força pela frente. Somos a nova nação do Neculai. Somos todos, o Brasil que merecemos.  Neculai para presidente!”

Eliane para o carro e limpa o suor do seu rosto. Ela não estava acreditando no que ouvia. Neculai queria ser presidente. Aquele assassino manipulador queria ser presidente do Brasil? Era muita loucura para uma noite. Ela abre a porta e sai do carro. Olha para o local onde estava. Perto da casa do seu cliente. Faltavam só alguns quilômetros. Ela não tinha mais tempo a perder. Sabia que o assassino queria derrubar aquela casa do seu cliente e usaria a população como desculpa para seus métodos manipulativos. Ela sabia que se seu cliente morresse nas mãos do Neculai,  ninguém iria acreditar em suas palavras. Corre para o carro e liga o motor para continuar o caminho. O rádio continua a falar do Neculai.
 “ Estamos aqui hoje com uma convidada muito especial. Deyse Day. Ela veio ao programa para falar sobre o Neculai. Ela é a relações públicas do nosso querido vampiro e vai falar um pouco sobre a vida de nosso herói.” 
“‒ É verdade que Neculai é mesmo um vampiro? Tem poderes de se transformar em morcegos e comanda os ventos e a chuva?” 
 “‒ Primeiramente. Boa noite ouvintes. Neculai está muito ocupado com a rebelião dos presídios no país e está fazendo de tudo para manter a população segura. Mas ele disse que ama todos vocês e se quiserem falar com ele pelo celular ou nas redes sociais fiquem a vontade. Respondendo a pergunta. Neculai é mesmo um vampiro. Mas não tem esses poderes de transformação e manipulação do tempo. Ele é um vampiro que, por causa de um acidente infeliz acabou se transformando em energia e as ondas de satélite misturado com o seu poder de vampiro foi levado para dentro das ondas que o celular usa para se comunicar. Seu corpo pode ir de um celular para outro. Neculai culpa a tecnologia por isso, mas ele aprendeu a viajar pelo celular e assim pode resolver problemas em toda a parte do país.” 
“‒ Neculai é mesmo um homem fascinante. Sempre atento aos problemas da população. E mesmo assim Deyse tem gente que vive acusando o Neculai de crimes absurdos. Como podem culpar tanto esse herói?.”
“‒ Ele já está acostumado com essas criticas. As pessoas já sabem que ele é realmente. Neculai é muito bondoso. Ele ama seus fãs. Quer o melhor para todos. Que orgulho o Brasil tem em ter um vampiro como ele olhando e cuidando da gente.”

Eliane desligou o rádio. Ela não estava acreditando. Neculai parecia ter o poder de manipular todos. Se Isso for verdade talvez ele consiga mesmo ser presidente. ‒ Que Loucura! Ela pensava. ‒ Neculai pode querer muito mais do que só o Brasil. 
A viagem terminou. Eliane havia chegado na casa. Ela sai do carro e olha para os lados. Achou estranho Não ter movimento policial. Houve um crime neste local. Neculai matou um presidiário, mas era como se nada tivesse acontecido. Limparam tudo. Nem policiais, nem imprensa. Nada nas ruas. 
Foi até a porta e chamou seu cliente. Ela temia que tivesse chegado tarde. ‒ Sr Oswaldo? Ela chamou. Esse era o nome do seu cliente. 
‒ Eliane! Estou aqui! No quintal! Atrás da casa.
Eliane achou estranho que o Sr. Oswaldo estivesse no quintal, pois já era quase de madrugada. Andou devagar. Olhava para os lados o tempo todo. Eles estavam em perigo. Ela precisava tirá-lo de lá. 
‒ Eu já estou terminando aqui!
Eliane o viu com uma enxada cavando um buraco. 
‒ O que está fazendo Sr. Oswaldo? 
Ele olha para Eliane, tira o suor do seu rosto com um pano e logo em seguida volta a cavar e responde:’ 
‒ Ele me salvou. Um dos fugitivos me pegou. Ele iria me matar.
‒ O que está fazendo Sr. Oswaldo? Por favor. Pare de mexer com isso. Já é de madrugada.
‒ Ele Me pediu para fazer isso. Era o mínimo que eu podia fazer. Ele me salvou. Tudo que aconteceu hoje foi um pesadelo. Eu aceitei o dinheiro dele. Vou mudar daqui. É muito perigoso. Não quero morrer. 
‒ Sr. Oswaldo! Pare de cavar esse maldito buraco. Neculai manipulou tudo. Foi ele o causador da rebelião, foi ele que matou os presidiários que não quiseram voltar. Ele fez isso só para conseguir esse terreno!
O senhor para de cavar. Olha para a Eliane, ele começa a rir e continua a cavar e responde:
‒ Eliane. Quer que eu acredite que o Neculai teve todo esse trabalho só para ter o meu terreno? Ele poderia ter me matado. Isso encurtaria as coisas. A verdade Eliane é que ele me salvou. Sua teoria não tem sentido. Sei que você fez o que pode, mas a violência está acima do normal. Eu não quero mais ficar aqui e daria a casa e o terreno de graça para ele depois do que aconteceu. Mas ele insistiu em pagar o triplo do que isso vale. Eu aceitei sim. E serei eternamente agradecido. Eu estou muito agradecido por tudo que fez por mim Eliane, mas o mundo mostra os caminhos certos de formas bem estranhas. 

‒ Então! Neculai venceu? 
‒ Diga isso para ele.
Eliane dá um passo para trás ao ouvir o que o Sr. Oswaldo disse.
‒ Como assim? Dizer para ele? Do que está falando? 
‒ Ele está aqui!
Eliane olha para todos os lados. Seu coração começa a acelerar. 
‒ Temos que sair daqui Sr. Oswaldo. Sair agora!
‒ Calma Eliane. Pensei que sabia. Ele disse que você viria. Disse que tinha marcado para vocês se encontrarem aqui. Ele está na sala. Por Deus. Ele veio através do meu celular. Ele estava sem roupa o pobre homem. Ficou muito envergonhado. Dei algumas roupas para ele vestir. Ele está esperando você. Pode ir. Eu estou quase terminando aqui.

Eliane caminhou até a sala, Sabia que o encontro seria inevitável. Talvez ele a mataria afinal era testemunha de tudo que aconteceu hoje. Neculai estava sentando em uma poltrona. Rindo com o celular na mão. 
‒ Esses meus fãs cada vez mais criativo. Agora querem fazer uma festa de aniversário em meu nome. Ha Ha Ha. Eu posso fazer uma festa para eles. Uma Rave Noturna com muita música e comida para eles se divertirem. Eles merecem. Vou tirar uma Selfie e mandar para minhas redes sociais... Mas... Eliane! Ha Ha Ha. Quanto tempo. 
‒ Seu Monstro Maldito!
‒ Não! Eliane! Não! Vem aqui querida. Ha Ha Ha. Neculai vai dizer o que está realmente acontecendo aqui.  Hora dos segredinhos. Ha Ha Ha Adoro essas horas. Enfim. Seu cliente está cavando o seu próprio túmulo.
  
‒ Você? Você fez isso com ele? Com todos! Manipula as pessoas. Você é um assassino. 
‒ Eliane. Não pensa assim. Eu amo esse país. Você sabia que a Amazônia foi vendida para outros países na década de 70? Pois é. E sabe o que vai acontecer em breve. São Paulo vai ser comprada. Ha Ha Ha. Mas para o bem do povo estou aqui para evitar que ESTE PAÍS não seja distribuído como pedaços de pizza para MUNDO. 

‒ Você que que eu acredite que ser presidente é bom para o país? Que só tem bondade no seu coração? Tem um idoso lá fora cavando seu próprio túmulo.

‒ Mas isso é só um favorzinho que pedi para seu cliente. Ha Ha Ha. Ele pode sair vivo dessa. Você sabe como.

‒ O que? Eu? Eu quero que você morra Neculai! 
‒ Sabe Eliane. Minhas amizades foram muito difíceis de conquistar. Cada uma tinha um certo preço. 

‒ Não tente me comprar Neculai.

‒ Eu jamais faria algo assim. O Fernando, o seu amigo. Ele sempre me ligava e eu perguntava sobre você e essa nobre atitude de ajudar os idosos. Que gesto maravilhoso. Este país precisa de pessoas como você. Eu ajudaria muito você, Tenho empresas com remédios que podem ser entregues rapidamente para esse pessoal que você tanto ajuda. 

Eliane senta no sofá e coloca as mãos em seu rosto. 

‒ Pense nas crianças desse país. Minhas escolas vão dar ensinamentos de primeiro mundo. Serão o futuro que este país merece. 

‒ Você é um Ditador. Vai manipular todos. Ninguém vai  escapar da sua ganância pelo poder.

‒ Pela dominação para um bem maior Eliane. Mas escute. Só preciso do seu silêncio sobre o que aconteceu e a sua vida será muito melhor daqui pra frente. Mas seja rápida na resposta. O Sr. Oswaldo já terminou e você sabe que isso tudo pode ter um final feliz.

‒ Está bem!

Neculai levantou e chegou bem perto da Eliane e com muita empolgação concluiu: 

‒ Eu venci de novo. Não é? Olhe para mim Eliane. Diga que venci.

‒ Você venceu Neculai. Não vou contar nada. Só deixe a gente em paz.
‒ Em paz? Ha Ha Ha. Esqueça essa palavra Eliane. Agora vou me alimentar. 

Eliane arregala os olhos e fica assustada com suas palavras, mas Neculai apenas sorri e vai até o celular e desaparece. Eliane ainda ouve a sua risada. Ela levanta do sofá e pega o celular. Ela leva até o buraco que o Sr. Oswaldo tinha cavado e joga o aparelho dentro dele e depois joga terra por cima. 

Por sorte o Sr. Oswaldo estava acostumado a cavar e mexer no seu terreno. Mesmo assim ele estava bem cansado. Eliane o leva até o carro. No rádio ainda falavam do Neculai.

“‒ Para fechar a madrugada vamos ouvir esse texto do nosso querido amigo Neculai.

"Quero dizer o que nunca foi ditado.
Falar o que nunca foi fadado.
Sentir o que nunca foi sensível.
Ouvir o que nunca foi ovacionado.
Quero tudo que nunca foi mudado ou domado.
Neculai Desade"

De repente Eliane escuta um tiro.  No susto ela bate a cabeça no vidro da porta e começa a sangrar. Com o barulho forte do tiro ela ficou com uma surdez momentânea deixando apenas um zumbido que vinha de dentro de sua cabeça. 
Ela grita tentando proteger o Sr. Oswaldo mas já era tarde. A arma que estava na mão daquele senhor começa a sair dos seus dedos; O Sangue começa a tomar conta do seu corpo. Ele se matou com um tiro na cabeça. 
Elaine abre a porta e sai do carro e se arrasta. Soluçando muito ela tenta se levantar. Coloca suas mãos no capô do carro e toma fôlego.
Uma luz vem de dentro do carro. Era o seu celular. Aos poucos o zumbido da sua cabeça diminui e começa a recuperar a audição porém a sua testa não parava de sangrar. Elaine já sabia quem era no celular. Com muita raiva ela atente a ligação e grita;

‒ Neculai Desgraçado!
Neculai responde depois de rir
‒ Eliane. Ele já estava morto. Sua vida existia até sair de lá. Você o tirou. Ele perdeu o sentido a vontade de viver. 
‒ E ainda me culpa Neculai?
‒ Não estou culpando. Culpar é algo que os humanos já nascem com esse sentimento para que evitem de serem reis. Humanos são treinados para terem culpa o tempo todo. Para serem eternamente inferiores. 
‒ Eu vou caçar você. Vou denunciar você. Vou prender você.
‒ Não precisa me caçar. Eu estou presente e bem atras de você.

Eliane sente um calafrio. De repente o vento estava gelado, frio. Ela abaixa vagarosamente o celular. E olha para trás. Neculai estava lá. Seus olhos vermelhos brilhavam e ele olhava atentamente para ela. Sorria. e depois olhava para o Falecido. Ele começou a caminhar para perto de Eliane. Ela não tinha como escapar. Neculai era ágil e forte. Novamente Neculai começa a rir e a conversar;

‒ Vamos Eliane. Você não acha que eu iria te machucar.Eu vim oferecer um emprego. Algo que deixe você afastada de defuntos. Ha Ha Ha. Morrer é algo tão finito. Não existe festa para quem morre. 

Neculai rapidamente pega as mãos de Eliane e a abraça como um dançarino. E começa a dançar. 

‒ Olhe bem para mim Eliane. Acha que este mundo vai durar para sempre? Será que não é hora de você aproveitar cada instante, cada momento,...
Neculai aproxima o seu rosto perto do dela e lambe o sangue de sua ferida ocasionada pela batida no vidro. A ferida se cura rapidamente. Eliane coloca a mão na testa e sente que não existe mais a ferida. Ela havia sumido. 
Neculai Sorri e conclui. 
‒ Aproveitar cada sensação de prazer Eliane. Para onde vamos não haverá feridas, nâo haverá dor. Apenas felicidade e uma insana vontade de viver. 
Eles se beijam com intensidade. 
Eliane estava com raiva. Ela precisava descarregar todo esse sentimento. Ela joga o Neculai no capô do carro. Ela sente o corpo nú do vampiro. Começa a arrancar a sua roupa. E os dois se pressionam novamente. Ela Sorri de paixão e prazer. Passa as mãos e as unhas no rosto do Neculai. E aproveita aquele momento de loucura e insanidade. Se tiver que ser assim. Se entregar a este vampiro. Então se deve aproveitar cada instante. Chega de lutar. Vamos aproveitar.

O Vampiro Neculai agora tem mais uma aliada para a sua conquista. 



Por Adriano Siqueira 


terça-feira, 13 de novembro de 2018

Fotos do evento - 2º Hop FreakShow - Curitiba




































































































Banner deste blog

Banner deste blog
Contos de Vampiros e Terror

  ©CONTOS DE VAMPIROS - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo