O Sangue dos Vampiros - clique aqui

O Sangue dos Vampiros - clique aqui
conheça mais sobre o livro O Sangue dos Vampiros - 2017

Livro Luar de Sangue da autora Dione M. S. Rosa

Livro Luar de Sangue da autora Dione M. S. Rosa
Livro que pode ser adquirido diretamente com a autora - clique no banner para conhecer o blog da autora.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Carros Assombrados - O Carro Vampiro

Contos especiais sobre Carros Assombrados.
Parte 1

Aviso: Os rachas nas ruas são proibidos e considerados crime. Não coloque a vida dos outros em perigo. Respeite a sinalização e dirija sempre com cuidado.




  
O CARRO DO VAMPIRO
Relato de Vampiros em 1984
Por Adriano Siqueira


Naquela noite, o Sujeira, Babu e eu descemos a Avenida Rebouças e fomos ver os rachas perto da USP. Rose estava lá. Ela tinha convidado a gente pra conhecer os rachas em que ela dava a largada. Eu era apaixonado por ela. A gente vivia no Shopping Eldorado e assistíamos juntos vários shows no estacionamento deste shopping, inclusive cantamos juntos a música “Maluco Beleza” com o próprio Raul Seixas quando ele foi lá. Ela me beijou nesta música e meus amigos ficaram aplaudindo, foi quando ela me deu uma pulseira de cobre para colocar no pulso com o nome James Dean, um ídolo que ela amava.

Vários carros estavam reunidos. Todos os carros com os motores, suspensão e carrocerias mexidos, davam a oportunidade aos corredores de serem alguém por algum tempo e realmente, naqueles minutos, eles eram os ídolos.
Com alguns carros encostados tocando Back in Black do Ac / Dc e Suzy Four, ficamos bebendo vinho com Salclik ou Biscui.
Só podiam correr dois de cada vez. A rua era apenas de duas vias.

O Adorável Noite era o carro que mais tinha platéia. Um Maverick Preto, 4 portas V6, com a carroceria inclinada, que tinha estampado um desenho de dois morcegos passando por uma lua. O outro carro era um Dodge Darth 2 portas sem muitas modificações, mas fazia um barulho ensurdecedor e tinha uma Fênix estampada na frente, em cima do motor.

Eu estava a 10 metros da pista, mas os via claramente. Estava atento, pois eu tinha apenas 17 anos e me borrava de medo da Rota. Eles viviam encostando a gente na parede procuravam estiletes e tomavam nossos jacos, cintos e coturnos que um réco amigo meu conseguia.

No meio dos carros, três metros a frente, Rose estava para dar a largada. Tirou o sutiã que estava por baixo da camisa e balançava com os braços erguidos pedindo atenção para o começo do racha. Fiquei agitando minhas mãos até que ela me viu e mandou um beijo. Quando ela soltou o sutiã, os dois carros aceleraram fazendo os pneus derraparem no asfalto causando uma fumaça sufocante que chegava a 3 metros e em segundos, eles estavam colados lado a lado a quase 100 Km por hora.

Foi quando vimos um cara pulando em cima do Adorável Noite. Ele tinha uma roupa bem parecida com os New Romantics que a gente se reunia pra ver nos clips do som pop. Igual ao vocalista do conjunto Adam and The Ants. Foi muito rápido. Os carros estavam em alta velocidade, o cara arrancou o motorista e jogou a vários metros de distância, assumindo o volante e em seguida, bateu violentamente no Dogde, causando um barulho enorme de ferragens sendo estraçalhados, seguida de uma explosão até que o Dodge perde a direção, sai da pista e fica pegando fogo. O motorista anda por alguns metros, mas logo cai em chamas.
O maníaco ficava gritando:
–        Fênix!!! Volte as cinzas, hahaha!!!

Naquele instante, o pessoal não estava com medo. Queriam, destruir o assassino e com muitos pedaços de paus e pedras correram para linchar com o cara.
Alguns tentaram socorrer o motorista do Adorável Noite que tinha sido jogado em alta velocidade, mas ele estava com a cabeça aberta e com pedaços do cérebro pelo chão. Isso só causou mais raiva nas pessoas que gritavam furiosas.

Sentado no carro, o louco ria de tudo. Virou o carro em direção do público e acelerou,  atropelando muita gente pelo caminho.

Meus amigos e eu ficamos abaixados, escondidos no canto da rua e por um breve segundo, consegui ver o seu rosto. Ele babava sangue, seus olhos eram brancos e seu nariz era enfiado pra dentro da cara. Muito incomum, e apesar de ter uma cara magra ele tinha um braço enorme.

Rose vinha correndo em minha direção e a ouvi gritando meu nome - Luney!!! Luney!!
O carro estava indo a sua direção. Ficamos desesperados. Tentei ajuda-la, mas meus amigos me seguraram. Vi o carro dar um cavalo de pau, ela tentou fugir, mas o cara segurou um de seus braços e jogou-a para dentro, fugindo em alta velocidade pela avenida.

Ficamos lá por um bom tempo e nunca mais tivemos notícias sobre ela e nem do Carro Adorável Noite.


-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

Curiosidades: - Esta é a primeira história do "Luney - o exorcista de carros assombrados", Personagem que criei em 2004. O personagem participou dos livros: ADORÁVEL NOITE 2011 na história "O Carro maldito" e também participou do livro ESPECTRA HISTÓRIAS DE FANTASMAS 2011 Organizado por Georgette Silen, e fiquei honrado por ser o autor convidado e nele escrevi a história "70 Km por hora". Luney também fez uma ponta superimportante no meu livro "A MALDIÇÃO DO CAVALEIRO 2012" no capítulo "Cale a boca e dirija".

Abraços
Adriano Siqueira

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x
Postar um comentário

Banner deste blog

Banner deste blog
Contos de Vampiros e Terror

  ©CONTOS DE VAMPIROS - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo