domingo, 13 de julho de 2014

Viva o dia do Rock!!!




Ele deixou o palco

Por Adriano Siqueira


Era mais de meia noite e desta vez, Erick sabia que o seu padrasto não iria perdoá-lo.

- Dá essa guitarra agora!
- Mas pai!
- Me dá isso ou arrebento sua boca moleque!

Erick, chorando entregou a sua guitarra e abaixou sua cabeça, olhando para o chão. Seu padrasto o pegou pelo braço e levou até o seu quarto gritando.

- Eu não falei que não quero mais que você toque? - Olhe para você! Uma vergonha para a família! Essas roupas e esse cabelo. Você me ofende andando assim! Agora chega! É isso que você ama?

Ele fala rasgando os pôsteres na parede. A mãe de Erick entra no quarto e tenta impedir o padrasto, mas ela é jogada com fúria para o canto do quarto. Erick corre para seus braços e olham para o homem completamente possuído pela loucura.

- É isso que gosta? Essas músicas?

Ele joga os Cds pela janela.

– Acabou! Está me ouvindo!

Ele bate a guitarra no aparelho de som varias vezes e joga tudo pela janela. Em seguida pega a mulher pelo braço, empurra para fora do quarto. Erick tenta impedir mas é jogado com facilidade para o chão.

- Saia deste quarto e eu te mato!!!

Erick chorou olhando os pôsteres rasgados do seu ídolo e sua guitarra completamente destruída... Até que finalmente adormeceu.

Depois de pedir muitas desculpas para sua mulher. Ela finalmente o perdoou. Não por ser um bom marido, mas por não ter como cuidar do seu filho sozinha, já que ela não havia trabalhado antes.
Ele foi até a cozinha pegar uma bebida. Escutou um barulho antes de entrar, mas achou que era um ladrão. Andando com mais cuidado ele, viu um vulto. A luz estava apagada, mas tinha um pouco de claridade que vinha da janela.
Era um homem vestido com uma roupa e capa branca, de óculos escuros. Iguais aos do seu filho. Começou a relampejar e o reflexo dos raios apareciam nos óculos escuros. O padrasto deu um passo para trás, mas a criatura começou a socá-lo. Murro após murro até que caiu completamente ensangüentado.

De manhã Erick acordou com o grito da sua mãe. Assustado correu em sua direção e teve uma visão que jamais vai esquecer por toda a sua vida.

Seu pai implorando por perdão de joelhos e... Logo a sua frente...
Uma guitarra novinha, autografada...
Por Elvis Presley.

'Cause it's witchcraft, wicked witchcraft
And although, I know, it's strictly taboo
WITCHCRAFT - 1963 - Elvis Presley - 16 de Agosto de 1977


E viva o dia do rock! \o/
Abraços
Adriano Siqueira


3 comentários:

Aмbзr Ѽ disse...

bem feito...

quem mandou tolher o sonho do menino? ele precisou de uma forcinha do além... gostei do conto.

Blog Suicide Virgin

Bondgirlpatthy 007 disse...

Nunca devemos subestimar as manifestações artísticas ou culturais de outras pessoas pois podem ser o começo de algo bom. O Erick do conto apenas admirava algo bom, uma música boa e não se drogou. Qtos "ericks" sofrem e depois os pais se arrependem por tê - los reprimido. Viva Elvis, viva o Rock e viva vc.... Bjs

Elton Sipião o Anjo das Letras disse...

Adorei este conto,de uma criatividade sensacional,e muito bem escrito,uma nova maneira de explorar a imagem do rei do rock,meu maior idolo artistico!Até Elvis gostaria deste conto,parabéns.